Cafeicultor de Divino cria terreiro de café mecanizado

Mais Lidas

Projeto 'Chame a Frida' de Manhuaçu é vencedor do prêmio Innovare 2021

O projeto "Atendente Virtual da Delegacia da Mulher (Acolhimento, simplicidade, eficiência e agilidade no atendimento das meninas e mulheres vítimas de violência doméstica) —...

Caminhoneiro famoso no instagram morreu em acidente entre Barbacena e Santos Dumont

Um jovem de 26 anos morreu em um grave acidente próximo à cidade Barbacena, em Minas Gerais, nesta quinta-feira (16). Gabriel José da Rocha...

Jogos do Tombense na Série B do Campeonato Brasileiro de 2022 podem acontecer em Muriaé

Com apenas 7.683 habitantes, segundo a estimativa do IBGE de 2021, o município de Tombos terá um representante na divisão de acesso do Campeonato...

Apostador de Patrocínio do Muriaé ganha R$ 619 mil na Lotofácil

Duas apostas acertaram as cinco dezenas do concurso 2368 da Lotofácil, sorteado na noite desta terça-feira (9), no Espaço de Loterias Caixa, em São...
Advertisement




 A necessidade de otimizar a produção  despertou o espírito criativo de Anderson Domingos da Silva, produtor de cafés especiais, no município de Divino, na região cafeeira conhecida como Matas de Minas. Ele criou um terreiro de café mecanizado.

Anderson conta que nem sempre tinha tempo de mexer o café no terreiro para a secagem correta e, com isso, alguns grãos mofavam. Assim, teve a ideia de inventar uma máquina que pudesse fazer o trabalho, enquanto cuidava de outras atividades no sítio Árvore Bonita.

A invenção rendeu ao produtor o segundo lugar no 7º Prêmio Emater-MG de Criatividade Rural, promovido neste ano. Aproveitando o terreno que foi a antiga residência da família, a água de um pequeno riacho e encaixando peças de materiais reciclados, o produtor inventor deu vida ao terreiro de café mecanizado ecológico.

O terreiro é composto por uma roda d'água, fios de aço, pás de madeira e engrenagens que controlam a velocidade que o café será movido. O funcionamento inicia com a roda d'água. Essa, por sua vez, faz funcionar um sistema de engrenagens e de fios de aço que movimenta as pás de madeira que movem o café. O terreiro ainda foi dividido em microlotes com o objetivo de possibilitar uma melhor secagem do grão.

A máquina consegue mexer o café de todo o terreiro em três horas e o processo pode ser feito durante o dia ou à noite, com sol ou chuva.  Para fazer um terreiro que protege o café, Anderson Silva se inspirou nas coberturas móveis dos terreiros de cacau. O produtor conta que está feliz com o resultado. “A criação deste terreiro facilitou muito meu trabalho, permitiu uma diminuição de custos, não preciso de pagar alguém para mexer o café no terreiro e posso fazer outras coisas. Enquanto estou dormindo, o café está sendo mexido. Além disso, diminuiu a perda dos grãos”, comemora.

A invenção que não utiliza eletricidade e ainda devolve a água para a mina, demorou dois meses para ficar pronta. Os gastos foram apenas com cimento, já que utilizou materiais reciclados.

De acordo com a extensionista da Emater-MG que trabalha no município, Emanuella Costa Torres, o terreiro mecanizado facilita o trabalho do produtor, principalmente, por se tratar de café especial. “O processo de pós-colheita é de extrema importância para a qualidade final do café. Com o terreiro mecanizado, ele consegue dividir o café em microlotes para fazer a secagem, além de evitar problemas com mofo e chuva”, diz.

Para conferir o vídeo que mostra o funcionamento do terreiro, assista o vídeo abaixo:

Trabalho em família

Nos 12 hectares da propriedade, Anderson da Silva também investe no cultivo de laranja e mexerica, mas é o café que garante a renda da família. Produtor há mais de trinta anos de café commodity, há um ano resolveu se dedicar à produção do especial e já conquistou prêmios. Em 2020, foi o primeiro colocado no Concurso Regional de Qualidade de Café da Região de Muriaé, na categoria Cereja Descascado.

Por trás do sucesso, está a dedicação da família.  A mulher e as filhas auxiliam na lida da lavoura de café, que tem uma produção de 60 sacas, e a intenção deles é duplicar.

Com 18 anos, Lavínia de Sousa Silva, diz que pretende seguir os passos do pai.  “Quero continuar trabalhando na lavoura, ganhar mais prêmios e melhorar ainda mais a qualidade do nosso café”, afirma

Informações da Emater-MG

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Brasileiros terão nova Carteira de Identidade Nacional com número único, veja o que muda

Um decreto assinado na última quarta-feira (23/02/2022) pelo Presidente da República, cria um número único de carteira de identidade para todo o país. O...

Em Ponte Nova, pai jogou filha de ponte e pulou no rio Piranga

Um homem de 26 anos agrediu a filha de 6 anos com socos e depois a jogou de uma ponte no rio Piranga, na...

Acidente envolvendo carro e ônibus da Buser em Ewbank da Câmara causa 5 mortes

O acidente aconteceu na BR-040 em Ewbank da Câmara, a colisão ocorreu entre um automóvel e um ônibus de viagem por aplicativo da Buser,...

Operação Rodovida será realizada durante feriados prolongados de Natal e Ano Novo

Com os índices epidemiológicos de Covid-19 em queda, muitas pessoas irão aproveitar o feriado prolongado de Natal e Ano Novo para viajar, o que...

Projeto de Lei que regulamenta transporte por aplicativo em Viçosa é aprovado

A Câmara Municipal de Viçosa aprovou na última reunião ordinário de 2021, na terça-feira (21), o Projeto de Lei que regulamenta o transporte por...